Pixo, arte e resistência política

fevereiro 23, 2017

Mono Art

image.JPG

Psicóloga, mestra e doutora em letras, Ludmilla Zago é das mais importantes vozes do debate sobre pichação e cultura de rua na atualidade. Coordena pesquisa sobre justiça urbana e convivência na Faculdade de Direito da UFMG e dirige a ONG Borda Convivência, Cidade e Pesquisa, que desenvolve projetos como o Real da Rua. O Magazine conversou com Zago sobre pichação, arte urbana e justiça seletiva.

Como começou seu envolvimento com a questão da pichação?

Eu já tinha um percurso longo com o grafite na cidade. Um dia fui acompanhar uma pessoa que ia fotografar grafites, e ela me contou que o prefeito queria fazer uma delegacia só para pichação, o que aconteceu na época da prisão dos “Piores de Belô”. Eu nem gostava de pichação. Mas cheguei no viaduto Santa Tereza e vi que muitos grafites estavam “atropelados” por pichações. Me coloquei a pensar: Será que esses meninos…

Ver o post original 1.110 mais palavras

BLADE RUNNER – O CAÇADOR DE ANDRÓIDES (1982)

fevereiro 15, 2017

Cinema & Debate

(Blade Runner)

 

Videoteca do Beto #25

Dirigido por Ridley Scott.

Elenco: Harrison Ford, Rutger Hauer, Sean Young, Edward James Olmos, Daryl Hannah, William Sanderson, Brion James, Joe Turkell, Joanna Cassidy, James Hong e Morgan Paull.

Roteiro: Hampton Francher e David Webb Peoples, baseado em livro de Philip K. Dirk.

Produção: Michael Deeley.

[Antes de qualquer coisa, gostaria de pedir que só leia esta crítica se já tiver assistido o filme. Para fazer uma análise mais detalhada é necessário citar cenas importantes da trama].

De acordo com “Blade Runner – O Caçador de Andróides”, belíssima ficção-científica dirigida por Ridley Scott, o futuro do planeta é sombrio e assustador. O crescimento descontrolado das grandes metrópoles, aliado à globalização e a destruição do meio ambiente, provocou profundas alterações climáticas e sociais, transformando o planeta em um local frio, deteriorado e muito complicado de se viver. Este…

Ver o post original 1.667 mais palavras

Sopa Indiana de Lentilha com Gengibre e Leite de Coco

fevereiro 5, 2017

À brasileira

dal angles closeup

A base dessa receita é uma sopa indiana de lentilha vermelha chamada Masoor Dal. Essa versão aqui foi simplificada e adaptada para ser feita com ingredientes que você encontra em qualquer lugar do Brasil, até numa cidadezinha de interior, que é onde fiz essa receita.

Essa aqui leva lentilhas verdes/marrons porque são mais acessíveis. Também, prefiro usar caldo de carne de boi, que, claro, não faz parte da receita original indiana. O toque a mais é o leite de coco, que dá um sabor tropical incrível e casa muito bem com os temperos e a pimenta. E não há dúvida: essa sopa é uma explosão de aromas e sabores que você nunca provou igual. Faça e verá!

MASOOR DAL À BRASILEIRA

Rende 2-2,5 litros de sopa, dependendo de quão líquida você prefere a sopa.

INGREDIENTES

– 1 pacote de 500g de lentilhas verdes/marrons

– 2 cenouras grandes

– 400g de abóbora…

Ver o post original 157 mais palavras

Só Antígona porque Ismênia

fevereiro 5, 2017

doce ismênia

por Bernardo GB Nogueira e Ramon Mapa da Silva

Desistiu de ser Ismênia!

Essa é a ode para onde somos conduzidos pelo espetáculo Doce Ismênia. O olhar do humano é fantástico, pois ele, ao se exercer, na realidade, cria!

Esse assombro a partir da interpretação realizada acerca da tragédia toma de assalto. Parece-me que seu olhar e sensibilidade captaram essencialmente o que traduz a existência trágica, ou seja, ao buscar algo que torne a existência humana explicável, e assim, passiva de ser guiada racionalmente, aí é que a fortuna nos toma pelas mãos e daí em diante é só tragédia… pois, quando quis construir sua tragédia, Ismênia se tornou comédia.

Ismênia foi erguida de forma a torná-la realmente uma partícipe terrivelmente audível ante o coro trágico que conduziu sua família, isso com a perspicácia de reconciliar o clássico com o contemporâneo.

Só existe Antígona porque sua irmã permitia a ela lutar pela vida do irmão. Ismênia tornou-se intensamente…

Ver o post original 1.093 mais palavras

O conhecimento, segundo Nietzsche

fevereiro 1, 2017

Vinicius Figueira

Abandonei a leitura de Nietzsche há algum tempo, para descansar. No Brasil, recomendo as traduções de Paulo César de Souza (Companhia das Letras). Abaixo, um trecho que escrevi sobre o autor alemão, para uma certa tese. Talvez sirva a alguém como uma “Introdução a Nietzsche”. Vejam só a importância de nosso planeta e de nós mesmos, na perspectiva do filósofo, já na primeira citação que selecionei, retirada de uma de suas primeiras obras, “Sobre verdade e mentira em um sentido extramoral”, que, hoje, é obra pop, conhecida de todo jovem de 17 anos… Obs.: as citações estão todas em azul.

Anunciar ao homem que o conhecimento integral do mundo lhe está vedado: esta a base sobre a qual se ergue a filosofia de Friedrich Nietzsche. Seu pensamento é uma forma de conviver com tal condição de encobrimento e de vedação ao ser e aos reais fundamentos e causas da vida humana –…

Ver o post original 1.942 mais palavras

Space Block Hanoi Model

janeiro 26, 2017

This is an experimental project by Kazuhiro Kojima. What is interesting is how CFD [computational fluid dynamics] is used to evaluate and assist in the design. From the article “Design of a porous-type residential building model with low environmental load in hot and humid Asia“, the study shows an approach for designing housing in our local tropical climate SG. The methodology used here clearly departs from present public housing strategies in SG, that are monotonous and lack of communal interaction within the building itself.
Space Block Hanoi Model

-location: Hanoi, Vietnam
-principal use: experimental housing
-site area: 271.27m2
-building area: 271.27m2
-total floor area: 466.71m2
-structure: reinforced concrete
-scale in building: 4 stories and 2 penthouses
-maximum height: 16,610mm
-architects:  Kazuhiro Kojima + Kojima Lab., Tokyo University of Science + Magaribuchi Lab., The University of Tokyo
pict3pict2

Ver o post original

O Discurso de Angela Davis na Women’s March (tradução)

janeiro 22, 2017

crônicasnabelavista

No dia 21 de Janeiro, centenas de milhares de mulheres mobilizaram-se em diversos países na Women’s March, por justiça social, direitos iguais e contra o avanço conservador no mundo sintetizado na figura de Donald Trump, agora Presidente dos Estados Unidos.

Abaixo uma tradução, livre, que fiz do discurso de Angela Davis, filósofa e feminista negra. Um dos mais marcantes de toda a Women’s March.

“Em um momento histórico desafiador, vamos nos lembrar que nós somos centenas de

Women's March On Washingtonfoto: the mercury news

milhares, milhões de mulheres, transgêneros, homens e jovens que estão aqui na Marcha das Mulheres. Nós representamos forças poderosas de mudança que estão determinadas a impedir as culturas moribundas do racismo e do hetero-patriarcado de levantar-se novamente.

Nós reconhecemos que somos agentes coletivos da história e que a história não pode ser apagada como páginas da Internet. Sabemos que esta tarde nos reunimos em terras indígenas e seguimos a…

Ver o post original 429 mais palavras

As Grandes Intervenções Urbanas no Vetor Norte da Região Metropolitana de Belo Horizonte

janeiro 20, 2017

Por Denise Morado* e Daniel Medeiros de Freitas**

bh.jpg Imagem mostra as intervenções no Vetor Norte da Região Metropolitana de BH

Desde 2003, o Governo do Estado de Minas Gerais vem promovendo uma nova centralidade em torno do Aeroporto Internacional de Confins (a 40 km de Belo Horizonte) – uma Aerotrópole – que se tornou a principal justificativa para a contratação, entre 2008 e 2012, de uma série de projetos que articulam empreendimentos privados e grandes investimentos públicos. A conclusão da Linha Verde, a viabilização da Alça Norte do Rodoanel Metropolitano, a duplicação do corredor Antônio Carlos/ Pedro I (e, em seguida, a Operação Urbana ACLO), a reestruturação rodoviária do entorno do município de Lagoa Santa e a construção da Cidade Administrativa de Minas Gerais são alguns exemplos de investimentos públicos articulados com propostas do setor privado, como o projeto Precon Park/Terras do Fidalgo e o megaempreendimento residencial para alta renda…

Ver o post original 833 mais palavras

Psicanálise, diferenças antropológicas e formas políticas: para introduzir a diferença intensiva

janeiro 19, 2017

Sobre o projeto de Destruição de Documentos do Senador Magno Malta

dezembro 7, 2016

Blog do Arquivista 2.0

papelO projeto de lei do Senado n. 146 de 2007 http://www25.senado.leg.br/…/ativi…/materias/-/materia/80337 voltou à pauta nesta semana turbulenta em Brasília, foi desarquivado e está sob debate da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania.O projeto autoriza a destruição do patrimônio documental brasileiro.

O projeto de Magno Malta PROJETO DE LEI DO SENADO nº 146, de 2007 já havia sido arquivado. Quando havia tramitado, tinha um projeto substitutivo PL 26/2010 http://www25.senado.leg.br/…/ativi…/materias/-/materia/96372 que acho tanto complicado quanto o que voltou, o 146.

A situação é que o Relator do projeto: Sen. José Maranhão fez um parecer pela aprovação, sem ter ouvido as partes, como arquivistas, empresas de ecm, juristas digitais, etc. Está para ir a votação (liberado para pauta), teremos de pressionar para sermos ouvidos.José Targino Maranhão
Telefones: (61) 3303-6490 / 6485 E-mail: jose.maranhao@senador.leg.br

O projeto estabelece critérios sobre a digitalização, o armazenamento em meio eletrônico, óptico ou digital, e a reprodução dos documentos…

Ver o post original 678 mais palavras