Como Escrever um Roteiro de Talk Show

junho 5, 2017

Dicas de Roteiro

Para tirar a dúvida de um colega nosso, estou traduzindo hoje este artigo de autoria de Nicholas Pell e tirado do site eHow:

talk_show2

Este é o logotipo doTalk Show, um programa de TV pela Internet muito bacana, vale a pena visitar! (Cliqueaquipara ver o blog do programa).

Escrever um roteiro para um talk show, ou programa de entrevistas, é uma noção um tanto contraditória. Grande parte do apelo de um talk show vem de sua natureza espontânea. Ainda assim, o entrevistador e apresentador deve estar preparado antes de se sentar na frente da câmera ou de um microfone. Ao escrever um roteiro para um talk show, você deve estar preparado para as eventualidades. Um roteiro de talk show é, em grande parte, a síntese dessas eventualidades, com perguntas interessantes e uma introdução atraente.

INSTRUÇÕES

1) Faça a sua pesquisa. Familiarize-se com todos os peritos que…

Ver o post original 436 mais palavras

Anúncios

Notas sobre a MP 759: o fim da função social da propriedade urbana e rural

maio 17, 2017

direito e urbanismo

A Medida Provisória 759encaminhada pelo executivo através de ação conjugada do Ministério das Cidades, do MPOG e pela Casa Civil, representa mais uma forma de consolidação da agenda (neo)liberal que está sendo impostapelo programa Ponte para o Futuro. Este foi apresentado pelo PMDB como forma de sintetizar a agenda política das frações hegemônicas da burguesia que exigiam uma aceleração de algumas ações de desregulamentação para diminuir os efeitos da crise que o capitalismo enfrenta desde, pelo menos, 2008.

O grande capital necessita, e percebe que tem força para isso, capturar bens públicos como forma de acumulação rápida que permita algum fôlego para garantir a sobrevivência em períodos de crise. Isso significa que determinados setores almejam atravessar esta etapa histórica com papel ativona inevitável tendência à monopolização da produção: querem engolir, e não ser engolidos. Dessa forma, a Emenda…

Ver o post original 3.490 mais palavras

Por uma arte de instaurar modos de existência que “não existem” – Peter Pál Pelbart

maio 16, 2017

North and South: Finding Your Way to Love

maio 14, 2017

laura whitfield

gg57130085

Today is the Day of Love. So whether you’ve discovered your true love or you’re still searching, there’s one sure way to find love on this special day. All it requires is finding your way to a great book—Elizabeth Gaskell’s mid-Victorian novel, North and South. You may just find, as I did, the character who becomes (dare I say it?) the compass of your soul. Your True North. For me, that character is John Thornton.

But before I begin waxing romantically about Mr. Thornton, let’s retrace our steps. North and South begins in an idyllic country village and ends in Milton, an industrial town in northern England. As in many great romantic novels, its two star-crossed lovers come from completely different worlds.

victorians041-wl

John Thornton, heir to a cotton mill, moves in a world of money and machinery: The North.

Margaret Hale, an educated and privileged parson’s daughter, hails from…

Ver o post original 249 mais palavras

Pintar o campesinato: Jean-François Millet.

maio 14, 2017

Tendências do imaginário

Jean-François Millet. As Respigadoras. 1857. Jean-François Millet. As Respigadoras. 1857.

Na disciplina de Sociologia da Arte, estamos a dar os impressionistas, com recurso a um docudrama da BBC (The Impressionists, 2006). Conjugar o passado no “futuro anterior” é uma tentação. Apostar no que interessa é outra. Ambas constituem uma forma de cegueira. A abertura e a dispersão são mais do que uma distracção. A focagem apaga mais do que ilumina. E, no entanto, cada momento histórico encerra uma riqueza inesgotável.

Jean-François Millet. Hunting Birds at Night.  1874. Jean-François Millet. Hunting Birds at Night. 1874.

Para Ernst Bloch, a investigação não se pode cingir ao que existiu, importa convocar também o que poderia ter acontecido, embora não se tivesse concretizado. Se a história está repleta de impossíveis realizados, ainda mais apinhada está de possíveis por realizar. A floresta não tem só caminhos e clareiras. Mas a bússola tende a reter do passado apenas aquilo que desagua no presente, resumindo-o, de preferência, em poucas…

Ver o post original 363 mais palavras

Nota de repudio a la condena de Rafael Braga a 11 años de prisión

abril 24, 2017

FARJ

Federação Anarquista do Rio de Janeiro

El pasado 20 de abril, fue publicada por Tribunal de Justicia de Río de Janeiro la sentencia relativa a la segunda prisión de Rafael Braga, que ocurrió el 12 de enero de 2016 según la cual Rafael fue condenado a 11 años de prisión por tráfico y asociación con el tráfico.

¿Por qué fue realmente condenado Rafael?

En el 2013 hubo grandes manifestaciones, él fue detenido en sus inmediaciones, aunque no había participado de ella, acusado de tener cocteles molotov, sin embargo  realmente eran botellas de Pinho Sol (producto de limpieza) y agua sanitaria. Fue detenido por la Unidade de Polizia de Pacificación de la Vila Cruzeiro en la localidad de Cascatinha, favela donde vive con su família. Por esto fue condenado a cinco años, cuyo último periodo fue bajo el régimen  de  libertad provisional (monitorado por una tobillera electrónica).

Durante su libertad provisional…

Ver o post original 316 mais palavras

Using Lefebvre’s triad

abril 10, 2017

Simon Briercliffe

Hewitt Avenue, one of the later roads built on the Noel Park estate, North London. I used to live on this street! Hewitt Avenue, one of the later roads built on the Noel Park estate, North London. I used to live on this street!

I did warn you that this would be a place for testing half-baked theories, so no Black Country history today, sorry. If you’re not up for critical theory and continental philosophy on a Friday morning, back away slowly now.

There’s been plenty of debates over the years about the role of theory within the practice of history. Many historians would agree that history without the theory means very little, but also with Jordanova’s point that history actually hasn’t been a traditionally theoretical discipline – that most theories used within history have been drawn from other fields. Coming in from the social sciences, I can definitely see the overlaps: Marxism, poststructuralism, cultural turns etc. – all shared across the humanities and social sciences.

Happily I have no problem with this, so…

Ver o post original 1.577 mais palavras

Beauty is in the streets

abril 10, 2017

Simon Briercliffe

061 Je participe, tu participes, il participe, nous participons, vous participez, ils profitent – I participate, you participate, he participates, we participate, you participate, they profit. This play on the tables of conjugation that everybody had to learn by rote is the source of the critique of everyday life by Lefebvre, the Situationists, and the students of ’68. We all live out the daily grind – but someone else benefits. (source)

The philosophers have only interpreted the world, in various ways; the point is to change it.

Karl Marx, Theses on Feuerbach.

I never realised that, like party politics, academia has a conference season. At least, March appears to be it which means I’ve ended up with far too much work to do in one go. Never mind. Just a quick one then on the various bits of highly-tangentially-related of reading I’ve been fitting in. I still…

Ver o post original 673 mais palavras

Measure the thing you’re interested in

março 23, 2017

Sauropod Vertebra Picture of the Week

The REF (Research Excellence Framework) is a time-consuming exercise that UK universities have to go through every few years to assess and demonstrate the value of their research to the government; the way funding is allocated between universities is largely dependent on the results of the REF. The exercise is widely resented, in part because the processes of preparing and reviewing the submissions are so time-consuming.

Dorothy Bishop has noted that results of REF assessments correlate strongly with departmental H-indexes (and suggested that we could save on the cost of future REFs by just using that H-index instead of the time-consuming peer-review process).

But it’s also been shown that H-index is strongly correlated with the simple number of publications. A seductive but naive conclusion would be: “we could just count publications for the next REF!”

But of course if we simply allocated research funding across universities on the basis of…

Ver o post original 236 mais palavras

Pixo, arte e resistência política

fevereiro 23, 2017

Diego A. Fonseca- MonoArt

image.JPG

Psicóloga, mestra e doutora em letras, Ludmilla Zago é das mais importantes vozes do debate sobre pichação e cultura de rua na atualidade. Coordena pesquisa sobre justiça urbana e convivência na Faculdade de Direito da UFMG e dirige a ONG Borda Convivência, Cidade e Pesquisa, que desenvolve projetos como o Real da Rua. O Magazine conversou com Zago sobre pichação, arte urbana e justiça seletiva.

Como começou seu envolvimento com a questão da pichação?

Eu já tinha um percurso longo com o grafite na cidade. Um dia fui acompanhar uma pessoa que ia fotografar grafites, e ela me contou que o prefeito queria fazer uma delegacia só para pichação, o que aconteceu na época da prisão dos “Piores de Belô”. Eu nem gostava de pichação. Mas cheguei no viaduto Santa Tereza e vi que muitos grafites estavam “atropelados” por pichações. Me coloquei a pensar: Será que esses meninos…

Ver o post original 1.110 mais palavras