Da polinização em filosofia – Peter Pál Pelbart

Territórios de Filosofia

Da polinização em filosofia.

Peter Pál Pelbart.*

“A escritura não tem outro objetivo: o vento…”

  G. Deleuze

Seria preciso rastrear o empreendimento de Deleuze à luz dessa sua saborosa provocação: “O desejo ignora a troca, ele só conhece o roubo e o dom.”[1] Que o filósofo tenha saqueado a história da filosofia, que ele a tenha pilhado alegremente – tudo isso, passado o desconcerto acadêmico, nos parece hoje menos blasfemo do que risível. Deleuze vampiro – quem não é tentado a gargalhar com tal imagem? Não podemos negar, ele sugou o sangue de muitos pensadores. Em contrapartida, como avaliar seu “dom” filosófico? Como rastrear a marca deixada na sua geração e na nossa sem refazer o inventário de seus vampirismos? Eis então minha pequena aposta: para além dos procedimentos de colagem ou de virtualização detectados em sua obra, não seria possível apreender sua…

Ver o post original 6.361 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: