Refletir na conjuntura de crises

abril 27, 2018

Brasil em 5

Helder Gomes*

Processos educativos de ampla repercussão social estiveram em curso no Brasil a partir da luta contra a ditadura militar e pela redemocratização do país. A partir de várias iniciativas populares e sindicais, não apenas a escola pública se tornou mais ativa, na busca por uma formação mais integral, como também ocorreram vários caminhos formativos, inclusive, nas lutas por terra e moradia, nas atividades comunitárias nos bairros e, também, nos ensaios de maior participação e controle social sobre as decisões e atos governamentais. Todo esse enriquecimento social foi se perdendo, na mesma medida em que a resistência popular foi sendo invisibilizada, não apenas pela mídia proprietária, mas, também, pela profunda alteração na agenda de luta de suas mais expressivas representações.

O fato de não serem mais tão visíveis como antes não significa que essas formas de resistência não existam mais. Muito ao contrário, é exatamente contra elas que se…

Ver o post original 749 mais palavras

Anúncios

Visiting Sudan – Pictures and Scenes of Khartoum

março 27, 2018

The Velvet Rocket

Before even trying to get into Sudan, make sure you have your visas in order and give yourself plenty of time to get them. The Sudanese visas proved to be the most difficult and time-consuming visas that my Italian interpreter and I have yet obtained – and we have been to a lot of weird places. However, it is doable.  Unless you know someone though, you will find the task made significantly easier by recruiting the assistance of an outfit such as Raidan Travel (more on them below).

Entering Khartoum:

*

After getting out of the airport, one of the first buildings you will see upon entering Khartoum is this brand new luxury hotel (pictured below), the Burj al-Fateh, financed by Lafico, the Libyan Foreign Investment Company, and designed by Italian architects.

Local Sudanese refer to the hotel as “Qadaffi’s ball” which, yes, has the same double meaning as in…

Ver o post original 1.692 mais palavras

O que levou a revisão da Lei de Zoneamento ao judiciário paulista?

março 27, 2018

zoneamento_Por Mariana Chiesa* e Débora Ungaretti**

Anunciada no início da gestão do prefeito João Dória, em 2017, a revisão do Plano Diretor e da Lei de Zoneamento foi marcada, de um lado, pela intensa interlocução com o setor imobiliário, e, de outro, pela ausência de diálogo com diversos atores, dentre os quais órgãos internos da própria Prefeitura, órgãos de controle, entidades, movimentos e associações ligados às questões urbana e ambiental.

Neste contexto, o Ministério Público, ao mover uma Ação Civil Pública (a ACP no 1012986-77.2018.8.26.0053, ajuizada no dia 15 de março de 2018) que pede a interrupção do processo de discussão do projeto de lei de revisão da Lei de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo (Lei municipal no 16.402/2016), conhecida também como Lei de Zoneamento, mostrou-se convicto de que tanto o processo participativo de alteração desta lei, quanto o conteúdo dos supostos ajustes nela propostos estão repletos…

Ver o post original 1.732 mais palavras

março 27, 2018

Debate anarquismo FARJ

Blast from past: Review of Millais’s “Exploding …”

março 24, 2018

Architecture Here and There

"Modern Movement reality" by Louis Hellman: The legacy of founding modernist Le Corbusier [From Exploding the Myths of Modern Architecture (2009, Frances Lincoln Ltd., London)] “Modern Movement reality” by Louis Hellman: The legacy of founding modernist Le Corbusier [From Exploding the Myths of Modern Architecture (2009, Frances Lincoln Ltd., London)] I’ve mentioned Malcolm Millais’s Exploding the Myths of Modern Architecture several times in recent posts. Malcolm, a Brit who lives in Portugal, has sent innumerable nuggets that have helped me push this blog over the edge for years. He is a specialist on modernism’s totalitarian bent. Now I have been warned that the book, published in 2009, may be about to go out of print. This would be a disappointment, and a setback to any hope for the future of mankind. Andres Duany, the New Urbanism guru who is known and respected by many who read this blog (including its author), had this to say in December 2010 about Malcolm’s book:

I came across an excellent [book criticizing modernist architecture] a couple of months ago:

Ver o post original 945 mais palavras

Ludwig Mies van der Rohe’s “The New Era” (1930)

março 20, 2018

Modernist Architecture

Translated from the German by Philip

Johnson.  From Mies van der Rohe.

(Museum of Modern Art.  New York, NY: 1947).

• • •

[Speech delivered at a Werkbund meeting in Vienna]

The new era is a fact: it exists, irrespective of our “yes” or “no.” Yet it is neither better nor worse than any other era.  It is pure datum, in itself without value content.  Therefore I will not try to define it or clarify its basic structure.

Let us not give undue importance to mechanization and standardization.

Let us accept changed economic and social conditions as a fact.

All these take their blind and fateful course.

One thing will be decisive: the way we assert ourselves in the face of circumstance.

Here the problems of the spirit begin.  The important question to ask is not “what” but “how.” What goods we produce or what tools we use are

Ver o post original 108 mais palavras

Rufo

março 5, 2018

Vegaromba

Rufo Foto: David Arioch

Rufo é um catchup caseiro e consideravelmente saudável. Cada porção de 20 gramas tem apenas dois gramas de carboidratos. Ou seja, a metade de muitas opções de catchup industrializado.

Ingredientes

Tomate, açúcar mascavo, páprica, vinagre de maçã, sal e ágar-ágar.

Preparo

Em uma panela coloco 750 gramas (seis unidades grandes) de tomates maduros e cortados em quatro partes e 30 gramas de açúcar mascavo. Mexo bem os ingredientes e acrescento uma colher de sopa de vinagre de maçã e uma colher de chá de páprica picante (se preferir, você pode substituir pela doce). Deixo a mistura cozinhar até amolecer bem o tomate.

Então adiciono uma colher e meia de chá de sal rosa (use o tipo de sua preferência) e 10 gramas (duas colheres de chá) de ágar-ágar. Misturo bem e quando começar a ferver, desligo o fogo e bato tudo no liquidificador. Depois coloco de volta…

Ver o post original 37 mais palavras

De que Lula é o nome?

fevereiro 23, 2018

Para ler sem olhar

(Com agradecimentos aos amigos Bernardo Jurema e Moysés Pinto Neto, que comentaram a primeira versão deste texto.)

Talvez eu devesse usar outro título, de estilo memético, seguindo a fórmula que já está virando clássica: “precisamos falar sobre…”. Mas, pensando bem, nosso problema passa longe da falta de falar sobre Lula. Ao contrário, parece que não se fala de outra coisa. E é bem esse o problema: sem perceber, fizemos do ex-presidente algo como um sumidouro para todas as nossas angústias políticas e sociais, a ponto de nos tornarmos incapazes, em todo o espectro político, de pensar o futuro do país e da sociedade sem que o ponto nodal seja o “sapo barbudo”. A fixação em Lula nos agita, mas nos paralisa: ficamos tremendo e rodando em círculos quando mais precisávamos estar em movimento, inventando caminhos e modos de enfrentar as demandas de um mundo que não vai esperar pela…

Ver o post original 9.166 mais palavras

Limiares e fugas: o que pode a cidade?

fevereiro 12, 2018

Revista Massaroca

por Danichi Hausen Mizoguchi[1]

Em uma cidade cabe muito: sonhos, utopias, destruição. Fuligem, fumaça, pedal. O breu, o cinza, a flor. Colos, coletivos, cóleras e coleiras. Ordem, progresso, amor. A noite, o dia, uma outra noite. Um beijo, um furto, muitos sustos. Sexo, sexos, sexualidades. Gêneros, genéricos, genocidas. Gays e lésbicas, simpatizante e homofóbicos. Dança, passos, passeios. Polícia e pirueta, balas e baleiros. Muros, grades e sumidouros. Bloco de carnaval, bloco de concreto, bloqueios de desejo. Planos, trapos. História, estórias, narrativas. Pontes, portas, navais e carcerários. Linhas, fluxos, fugas. Fronteiras e limiares. Tudo isso e muito mais. Mas – ainda que na cidade tanto caiba – resta a pergunta: o que pode a cidade?

***

De saída, faz-se necessário impingir direção ao problema – direção afirmativa de questão que se faz sob o disfarce de tantas negativas. Em primeiro lugar, a decisão de não efetivar o modo ontológico de…

Ver o post original 3.740 mais palavras

TEMA 11. DESCARTES

novembro 21, 2017

FILOSOFÍA

INTRODUCCIÓN AL RACIONALISMO

Por racionalismo suele entenderse aquella actitud que confiere una importancia y valor fundamental a la razón. Esta definición no es desatinada, pero es demasiado general e imprecisa. No basta con decir que se le concede a la razón valor de fundamento, de principio supremo; es necesario establecer qué se entiende por razón y respecto de qué se la considera principio. Será necesario explicar:

  1. a qué factores se niega el rango de principio concedido a la razón, puesto que conceder la primacía a un factor significa negárselo a otro.
  2. en qué campo o esfera se concede a la razón el rango de fundamento o principio

(Por ejemplo: llamaríamos “racionalismo religioso” a aquella teoría que concede la primacía a la razón en la fundamentación y formulación de las ideas religiosas, negándosela a los dogmas y a la fe. El racionalismo religioso construiría una religión en la que quedarían…

Ver o post original 8.409 mais palavras