IMF: Creating One Third World Country After Another

setembro 6, 2017

Study - Grow - Know

imf-was-hereI’m always amazed when I read articles or comments from people who simply do not accept what may well be the fact that a cadre of very powerful people control many things that occur in this world. They do so because of the extreme wealth they possess and their hold over the nations via the banking system.

For the people who reject this type of thinking, to them, folks who do tend to give credence to it are thought to be living in a world of conspiracy. I was talking with an individual the other day who point-blank told me that it is impossible to have a one-world currency. He gave no credence to the money launderers, or those in control of the economic system due to their offensive amount of wealth. To them, what is happening in the world or the United States is the fault of a past…

Ver o post original 999 mais palavras

Anúncios

Ciência e geopolítica na reedição do Brasil subalterno

agosto 8, 2017

Brasil em 5

Por Bernardo Rocha Carvalho, em colaboração especial

Todo mundo já deve ter ouvido falar que “conhecimento é poder”, um bordão que costuma aparecer elegantemente em latim: scientia potentia est. Essa é uma ideia que, pra quem acompanhou as últimas notícias sobre desenvolvimento científico no Brasil, pode ter parecido bastante oportuna. Refiro-me, por exemplo, a seis matérias publicadas apenas nos últimos dois meses no Estadão (no blog de Heitor Escobar), que tratam dos cortes lineares drásticos tanto no orçamento da maioria das universidades federais do país – “Sem dinheiro, universidades federais vivem situação de vulnerabilidade extrema, diz reitor da UFMG” – como no das agências estatais de fomento à pesquisa – “CNPq atinge teto orçamentário e pagamento de bolsas pode ser suspenso”.

Esses cortes condizem perfeitamente com as diretrizes de um governo cuja prioridade é realizar contrarreformas sociais, e que retira do horizonte da…

Ver o post original 561 mais palavras

Hegemonia em coxinhalândia

julho 30, 2017

Blog da Boitempo

Por Ruy Braga.

A última eleição na cidade de São Paulo serviu para alinhar a conjuntura política municipal ao momento de crise e de radicalização do neoliberalismo em escala internacional. Logo após a cristalização de um golpe parlamentar contra um governo democraticamente eleito, a população paulistana, considerando a notável vitória conquistada no primeiro turno por João Dória contra o ex-prefeito petista, Fernando Haddad, pareceu legitimar a versão mais crua e atualizada do neoliberalismo.

Ver o post original 1.453 mais palavras

Angela Davis: Construindo o futuro da luta contra o racismo

julho 30, 2017

Blog da Boitempo

Angela Davis na Reitoria da UFBA no dia 25 de julho de 2017. Foto: Nunah Alle (Mídia NINJA).

Por Angela Davis.

Publicamos abaixo uma transcrição da conferência magna de Angela Davis realizada na Reitoria da Universidade Federal da Bahia no dia 25.7.2017, Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha, e intitulada “Atravessando o tempo e construindo o futuro da luta contra o racismo”. A transcrição é de Naruna Costa, a partir da tradução consecutiva da professora Raquel de Souza, e as notas são de Juliana Borges. Confira a gravação integral do evento ao final deste post!

Ver o post original 3.019 mais palavras

The Blackbird Leys Estate, Oxford: ‘Never accepted as part of the city proper’

junho 25, 2017

Municipal Dreams

This is the 200th post on the blog.  I’ll be participating this week in the ‘Architecture, Citizenship, Space: British Architecture from the 1920s to the 1970s‘ conference at Oxford Brookes University.  For that reason, I hope you’ll forgive a repost – the first to date – of this piece on the Blackbird Leys Estate which seemed appropriate. Rosamund West, who contributed an earlier post on the blog, will be there too, speaking on ‘Replanning Communities through Architecture and Art: the post-war London County Council’. 

Blackbird Leys, situated on the south-eastern periphery of Oxford, is to all appearances a pretty ordinary, not to say humdrum, council estate.  But it’s achieved notoriety.  Some of this is typical of unloved and maligned marginal estates throughout the country but it’s loomed larger in Blackbird Leys and came to a peak in 1991 when three days of rioting followed a police crackdown…

Ver o post original 2.160 mais palavras

Grenfell Tower

junho 25, 2017

Municipal Dreams

For almost four decades, we have been taught to see public spending as a bad thing; ruthless economising as a virtue.  We have come to know the price of everything and the value of nothing…and have ended with the funeral pyre of Grenfell Tower. 

Three days after the night of Wednesday 14 June, I still haven’t written anything about Grenfell Tower.  I’ve been trying to process the tragedy emotionally and intellectually. Even the pronoun jars.  This is – or should be – all about the pain and anger felt by the victims of the tower block fire. Those feelings are shared by many but have been appropriated by a few to fit their existing worldviews, to serve pre-existing agenda. In the meantime, it seems every journalist has become an expert, every pundit has their opinion.

Grenfell nowI do know a bit about social housing but I’m certainly not an expert on…

Ver o post original 866 mais palavras

The Blackbird Leys Estate, Oxford: ‘Never accepted as part of the city proper’

junho 25, 2017

Fonte: The Blackbird Leys Estate, Oxford: ‘Never accepted as part of the city proper’

“Aos Nossos Amigos” do Comité Invisível.

junho 15, 2017

L´obéissance est morte

Está para breve a publicação local da sequela da “Insurreição Que Vem” assinada pelo Comité Invisível. Ao longo das próximas semanas iremos deixar aqui alguns excertos de “Aos Nossos Amigos”. Aos mais ansiosos sugerimos entretanto a leitura de Burning Dwelling Thinking, uma extensa crítica elaborada por Alberto Toscano.

513173highwayoakland-commune-barricade

“As insurreições chegaram, mas não a revolução. Raramente teremos visto, como nestes últimos anos, num lapso de tempo tão condensado, tantas sedes do poder oficial tomadas de assalto, desde a Grécia até à Islândia. Ocupar praças bem no centro das cidades e aí montar tendas, e aí erguer barricadas, cantinas ou barraquinhas, e aí reunir assembleias, tornar-se-á em breve um reflexo político elementar como ontem o foi a greve. Parece que esta época começou até a segregar os seus próprios lugares-comuns – como esse All Cops are Bastards (ACAB) que a cada golpe de revolta passa agora a pintalgar as paredes…

Ver o post original 330 mais palavras

Como Escrever um Roteiro de Talk Show

junho 5, 2017

Dicas de Roteiro

Para tirar a dúvida de um colega nosso, estou traduzindo hoje este artigo de autoria de Nicholas Pell e tirado do site eHow:

talk_show2

Este é o logotipo doTalk Show, um programa de TV pela Internet muito bacana, vale a pena visitar! (Cliqueaquipara ver o blog do programa).

Escrever um roteiro para um talk show, ou programa de entrevistas, é uma noção um tanto contraditória. Grande parte do apelo de um talk show vem de sua natureza espontânea. Ainda assim, o entrevistador e apresentador deve estar preparado antes de se sentar na frente da câmera ou de um microfone. Ao escrever um roteiro para um talk show, você deve estar preparado para as eventualidades. Um roteiro de talk show é, em grande parte, a síntese dessas eventualidades, com perguntas interessantes e uma introdução atraente.

INSTRUÇÕES

1) Faça a sua pesquisa. Familiarize-se com todos os peritos que…

Ver o post original 436 mais palavras

Notas sobre a MP 759: o fim da função social da propriedade urbana e rural

maio 17, 2017

direito e urbanismo

A Medida Provisória 759encaminhada pelo executivo através de ação conjugada do Ministério das Cidades, do MPOG e pela Casa Civil, representa mais uma forma de consolidação da agenda (neo)liberal que está sendo impostapelo programa Ponte para o Futuro. Este foi apresentado pelo PMDB como forma de sintetizar a agenda política das frações hegemônicas da burguesia que exigiam uma aceleração de algumas ações de desregulamentação para diminuir os efeitos da crise que o capitalismo enfrenta desde, pelo menos, 2008.

O grande capital necessita, e percebe que tem força para isso, capturar bens públicos como forma de acumulação rápida que permita algum fôlego para garantir a sobrevivência em períodos de crise. Isso significa que determinados setores almejam atravessar esta etapa histórica com papel ativona inevitável tendência à monopolização da produção: querem engolir, e não ser engolidos. Dessa forma, a Emenda…

Ver o post original 3.490 mais palavras